Como usar as mídias sociais na área da saúde: um guia para profissionais de saúde

As mídias sociais e assistência médica são uma combinação poderosa. As redes sociais se tornaram um importante recurso de saúde, e não apenas para os millenials. Quase 90% dos adultos mais velhos usaram as mídias sociais para buscar e compartilhar informações sobre saúde.

Pode ser difícil saber como superar os desafios das mídias sociais na área da saúde. Fornecedores, agências e marcas precisam criar conteúdo social atraente. Esse conteúdo também precisa ser informativo, oportuno e preciso. Ao mesmo tempo, você precisa seguir todas as regras e regulamentos relevantes do setor.

Neste post, analisamos os muitos benefícios do uso de mídias sociais na área da saúde. Também fornecemos algumas dicas sobre como manter seus canais sociais compatíveis e seguros.

Benefícios das mídias sociais na área da saúde

Aumentar a conscientização

As mídias sociais são uma maneira essencial de aumentar a conscientização do público sobre questões de saúde novas, emergentes e anuais.

“Os sistemas de saúde devem fornecer informações confiáveis ​​sobre imunização, vírus da gripe, terapia, ebola, dentre outros.” Esse conselho sólido vem de Thiago Rocha. Consultor de mídia social da Webcerrado Marketing Digital.

Às vezes, aumentar a conscientização é tão simples quanto lembrar os seguidores sobre práticas de saúde de senso comum ou abordar preocupações comuns de vida saudável.

Combate a desinformação

As mídias sociais, por sua própria natureza, ajudam a espalhar informações rapidamente para diversos grupos de pessoas. Isso é ótimo quando as informações são baseadas em fatos, úteis e claras. Infelizmente, também há muitas informações erradas sobre saúde nas redes sociais.

Às vezes, a desinformação vem na forma de declarações falsas. Estes são relativamente facilmente desmembrados. Você pode simplesmente citar pesquisas publicadas ou as informações mais recentes de fontes de saúde credíveis como o CDC ou a OMS.

Mas, às vezes, os criadores e disseminadores de informações erradas usam o nome de uma instituição respeitável para dar credibilidade às suas declarações. Nesse caso, é importante que a instituição nomeada como referência esclareça que não é a fonte.

Comunicação de crise

Agora, mais pessoas recebem suas notícias das mídias sociais do que dos jornais. Isso torna o social um lugar-chave para compartilhar informações de última hora.

À medida que a situação do COVID-19 se desenvolve, as pessoas recorrem a autoridades de saúde do governo. Eles estão procurando as informações e instruções mais recentes. Os oficiais de saúde médicos provinciais do Canadá usaram a mídia social e a comunicação de saúde de maneira eficaz. Eles estão compartilhando regularmente atualizações e restrições oficiais de status durante este período de crise.

Responda perguntas comuns

As autoridades de saúde e outras organizações que trabalham na área da saúde são uma fonte valiosa de informações sobre todos os tipos de problemas de saúde.

As ferramentas sociais oferecem maneiras criativas para os profissionais de saúde abordarem questões comuns. Por exemplo, o governo da Índia desenvolveu um chatbot do Facebook Messenger. Ele pode responder perguntas, direcionar os cidadãos para os recursos certos e combater a desinformação.

Monitoramento de saúde pública

As pessoas postam sobre tudo online, incluindo sua saúde. Hashtags como #flu podem revelar quando doenças estão surgindo em novos locais. As organizações de saúde pública podem até ter uma noção da gravidade dos sintomas.

Os professores Michael Paul e Mark Dredze explicam como isso funciona em seu livro Monitoramento Social para Saúde Pública:

“A mídia social oferece vantagens sobre as fontes de dados tradicionais, incluindo disponibilidade de dados em tempo real, facilidade de acesso e custo reduzido. A mídia social nos permite fazer e responder perguntas que nunca pensamos serem possíveis. ”

Engajamento de seu público

É difícil falar sobre problemas de saúde, mesmo com médicos. Isso é especialmente verdade para assuntos vistos como privados ou embaraçosos. Isso pode atrapalhar o tratamento eficaz.

Por exemplo, de acordo com a Associação Americana de Saúde Sexual (ASHA), apenas 12% dos jovens disseram ter sido testados para doenças sexualmente transmissíveis no último ano. Porém, mais da metade das doenças sexualmente transmissíveis afeta aquelas entre as idades de 15 e 24 anos.

A ASHA queria incentivar essa faixa etária a ver o teste de DST como parte normal do cuidado de sua própria saúde. Então, eles criaram uma campanha de marketing de mídia social em saúde. O componente principal foi um vídeo social. Nele, o comediante Whitney Cummings conversou com estudantes universitários sobre saúde sexual.

Apoio ao paciente

Quase 40% dos jovens (de 14 a 22 anos) usaram ferramentas on-line para se conectar com outras pessoas com desafios semelhantes à saúde. Isso inclui grupos de mídia social.

Essa conexão pode trazer benefícios reais para os pacientes. Pesquisadores publicados na revista Surgery criaram um grupo no Facebook para 350 pacientes transplantados, cuidadores e profissionais de saúde. Um total de 95% dos entrevistados disse que ingressar no grupo foi positivo para seus cuidados.

Os grupos do Facebook também são um ótimo uso das mídias sociais para interação entre profissionais de saúde e pacientes. O Centro de Epilepsia do Hospital Mount Sinai criou um grupo privado no Facebook, apenas para convidados, para pacientes e cuidadores. Os dois médicos que são co-diretores do centro atuaram como moderadores e participaram de discussões em grupo.

As interações de grupos sociais também podem incluir apoio e educação do paciente. Um estudo está avaliando se um grupo do Facebook para pacientes com doença cardíaca coronária pode aumentar a participação na reabilitação cardíaca.

Obviamente, existem preocupações com a privacidade ao discutir a saúde online. Esse é um ótimo uso dos grupos secretos do Facebook, que não aparecem nos resultados da pesquisa. Os usuários precisam ser convidados para participar.

Recrutamento de pesquisa

As redes sociais oferecem uma oportunidade de se conectar com possíveis participantes de estudos e pesquisas.

Assim como as marcas, pesquisadores e organizações de saúde precisam entender a demografia das mídias sociais. Isso permite que você se conecte com o público certo. Também é importante saber como segmentar anúncios de mídia social.

Marketing

Sessenta e oito por cento dos profissionais de saúde dos EUA aumentaram seus gastos com publicidade em mídias sociais para profissionais de saúde em 2019. No lado do consumidor, 42% aumentaram seu orçamento de marketing social.

O marketing de mídia social em saúde não precisa ser muito sério. (Dependendo do contexto, é claro.) O serviço de assinatura de monitoramento de saúde Thriva criou um anúncio com tema de Halloween. Ele promoveu a mensagem de que verificar sua saúde não é assustador.

Dicas de mídia social para organizações de saúde

Educar e compartilhar conteúdo valioso

Como dissemos acima, muitas pessoas recorrem às mídias sociais para obter informações em tempos de crise. Mas, para se envolver com o público a longo prazo, você precisa fornecer regularmente um conteúdo valioso que educa e informa.

Por exemplo, a Clínica Mayo cria séries de vídeos sociais para cobrir tópicos populares de saúde e bem-estar. Os “Minutos da Clínica Mayo” são curtos, informativos e envolventes. Os vídeos acumulam regularmente mais de 10.000 visualizações. Este, sobre como lavar as mãos adequadamente, foi visto mais de 60.000 vezes.

Ouça conversas relevantes

A escuta social permite acompanhar conversas de mídia social relevantes para o seu campo.

Essas conversas podem ajudá-lo a entender como as pessoas se sentem sobre você, sua organização e seus produtos e serviços. Você também pode aprender como eles se sentem sobre a competição. Você pode até identificar novas idéias que ajudam a guiar sua estratégia de comunicação social.

A escuta social também é um bom uso das mídias sociais na área da saúde para entender como o público está respondendo a problemas de saúde emergentes.

Aqui estão alguns termos importantes a serem ouvidos nos canais sociais:

  • O nome e a organização da sua organização ou prática
  • O (s) nome (s) do seu produto, incluindo erros ortográficos comuns
  • Os nomes de marcas, nomes de produtos e identificadores de seus concorrentes
  • Palavras-chave relevantes: siga hashtags relevantes da área de saúde
  • Seu slogan e os de seus concorrentes
  • Nomes das pessoas-chave da sua organização (seu CEO, porta-voz etc.)
  • Nomes das pessoas-chave nas organizações de seus concorrentes
  • Nomes ou palavras-chave da campanha
  • Suas hashtags de marca e as de seus concorrentes
  • As plataformas de gerenciamento de mídia social como o Hootsuite permitem monitorar todas as palavras-chave e frases relevantes nas redes sociais a partir de uma única plataforma.

Permaneça em conformidade

Um dos grandes desafios das mídias sociais na área de saúde é que as contas de mídia social estão sujeitas a regras e regulamentos estritos. A conformidade com a HIPAA é grande, mas você também precisa seguir as regras da FDA sobre publicidade.

Um dos exemplos mais conhecidos de mídia social e choque de saúde aos olhos das autoridades envolve Kim Kardashian. Ela endossou a droga da doença da manhã Diclegis em um post no Instagram. A postagem dela continha um link para informações sobre riscos e limitações de uso. Mas, o FDA determinou que essa informação precisava estar dentro do próprio post.

As integrações podem ajudar a proteger ainda mais seus canais de marketing de mídia social da área de saúde. Por exemplo, o AETracker pode ajudá-lo a encontrar e relatar problemas como reclamações de produtos e uso off-label. Você descobrirá como eles acontecem, para que você possa agir imediatamente.

O Social Safeguard pode ajudar a exibir suas postagens sociais em relação às políticas de mídia social. Isso impede que postagens não compatíveis entrem no ar.

A verdade simples é que os pacientes e o público usam as mídias sociais para encontrar recursos de saúde. Eles o usam para procurar informações, encontrar suporte e tomar decisões de assistência médica.

Combinar mídia social e assistência médica pode ser um desafio. Mas o uso das mídias sociais na área de saúde também apresenta novas oportunidades incríveis.

A mídia social é uma ótima plataforma para compartilhar informações importantes sobre saúde. É também um local importante para reunir pesquisas e insights em tempo real. Mais importante, a mídia social é uma maneira de apoiar pacientes e o público de maneira fácil e oportuna.

Gostou do Artigo? Quer saber mais como as Redes Sociais podem ajudar seu consultório, clínica ou hospital? Fale agora mesmo com nossos especialistas.

Thiago Rocha
Written by Thiago Rocha
Graduado em Redes de Computadores e Pós Graduado em Segurança da Informação, apaixonado por Marketing Digital, filmes, séries e novas tecnologias.